Dramas do Brasil e do mundo por Luciano Carneiro

Uma mãe segura seu filho numa habitação feita de madeira, numa favela carioca , em 1950

O Instituto Moreira Salles (IMS) acaba de lançar uma seleção de 170 das mais de 20 mil imagens produzidas por um dos mais importantes repórteres fotógraficos do país. “Luciano Carneiro – Fotojornalismo e Reportagem (1942-1959)” reúne fotos e cerca de 35 matérias assinadas pelo fotógrafo brasileiro morto tragicamente aos 33 anos de idades em um acidente aéreo. Carneiro teve sua curta carreira concentrada na atuação na revista O Cruzeiro, uma das maiores publicações brasileiras da época, onde trabalhou de 1949 a 1959 em coberturas no mundo inteiro.

Das favelas do Rio ao flagelo da seca no nordeste do país, da Guerra da Coreia (1950-53) à vida diária dos soviéticos, passando pela Revolução Cubana, pelo Egito de Nasser e pela Iugoslávia de Tito, Luciano Carneiro fixou as emoções humanas sem artificialismo nem poses, no melhor estilo de mestres de quem era fã confesso como Cartier-Bresson, Doisneau e Capa.

Segundo o IMS, a obra é o primeiro livro a percorrer de forma abrangente a carreira e obra de Carneiro, cujo acervo está, em parte, sob a guarda do Instituto. Além desse material, o livro traz também imagens dos arquivos da revista O Cruzeiro, hoje parte do acervo do jornal Estado de Minas.

A herança modernista dos Jacobsen

Parte da obra dos arquitetos cariocas, pai e filho, Paulo e Bernardo Jacobsen, acaba de ganhar edição internacional da Thames & Hudson. O primeiro livro retrospectivo do trabalho da dupla chega ao mercado no final do mês, mas já está em pré-venda na Amazon. “Casa Tropical” mostra residências em áreas urbanas, no campo e no litoral do Rio, São Paulo, Bahia e Melbourne. Segundo matéria do Estadão, é também o único título de arquitetura brasileira publicado pela editora londrina.

Visitando ateliês

Ateliê do artista recifense Paulo Bruscky. Reprodução de foto de Fran Parente

A dica vem de artigo assinado por Clara Balbi, na Ilustrada, da FSP. É “Espaços de Trabalho de Artistas Latino-Americanos”, assinado pela jornalista e crítica de arte Beta Germano com imagens do fotógrafo Fran Parente. O livro é resultado das visitas a 27 ateliês de artistas espalhados por oito países. A lista inclui, entre outros, Cildo Meireles, Adriana Varejão e Miguel Rio Branco. O lançamento é da Cobogó.