SP ganha nova livraria

Edifício Copan vai ganhar uma livraria simplesmente incrível!
Foto do site Catracalivre

Além da expansão de redes como a Leitura e a Livraria da Vila, com novas lojas já abertas ou anunciadas para breve na cidade, São Paulo ganha a partir de amanhã (23) uma nova livraria. É a Megafauna, iniciativa das editoras Fernanda Diamant e Maria Emília Bender, da arquiteta Anna Ferrari, do empresário Arthur Mello e do veterinário Thiago Salles Gomes, que vai ocupar uma área de 216 metros quadrados no piso térreo do edifício Copan. O novo espaço, segundo o noticiário, deve, também, sediar cursos, debates e encontros com escritores, além de um futuro café-restaurante da chef Bel Coelho.

Shakespeare pede ajuda

Shelf mythology: 100 years of Paris bookshop Shakespeare and Company |  Books | The Guardian
Foto: The Guardian

Livraria histórica de Paris e ponto turístico da cidade, a Shakespeare and Company, segundo o noticiário, enviou recentemente aos clientes uma mensagem informando que estava enfrentando tempos difíceis e pedindo auxílio por meio da compra de livros para minimizar os impactos causados pelo lockdown na capital francesa, que ameaçam o futuro da casa. O apelo fez efeito e segundo divulgado pela imprensa, em uma semana a livraria teria recebido 5 mil pedidos de livros. Em outra frente, moradores da cidade se manifestaram com doações e com o compartilhamento de memórias relacionadas à livraria.

Shakespeare and Company é o nome de duas livrarias de Paris. A primeira foi aberta por Sylvia Beach em 1919 no número 8 da rua Dupuytren. Em 1922 a livraria foi transferida para o número 12 da rua do Odeão. Por muitos anos serviu de ponto de encontro de escritores como Ezra Pound, Hemingway, Joyce e Ford Madox Ford e fechou as portas em 1940 em razão da ocupação nazista da França. A segunda livraria foi aberta em 1951 por George Whitman na rua Bûcherie com o nome de Le Mistral. Em 1964 foi renomeada Shakespeare and Company em homenagem à livraria original de Sylvia Beach. Hoje, funciona como livraria, sebo e biblioteca de leitura. Fonte: Wikipedia.

Não é só uma gripezinha

Plano de recuperação judicial da Saraiva é aprovado depois de série de  atrasos e entraves - 29/08/2019 - Ilustrada - Folha
Foto: Folha/Uol

Em relatório mensal de atividades, divulgado no início desta semana pela RV3 Consultores, escritório responsável pela administração judicial da rede Saraiva e reportado pelo site Publishnews, a empresa – em recuperação judicial desde setembro de 2019, teve, em junho passado, um prejuízo consolidado de R$ 17,3 milhões. O documento mostra, ainda, que a Saraiva, que chegou a operar 58 lojas no pais, perdeu, desde outubro de 2018, 47 dessas unidades. A dívida total da rede é estimada em R$ 684 milhões.

Expandindo na crise

Aos 50 anos, Leitura deixa de ser mineira e passa a ser brasileira |  PublishNews
Foto: PublishNews

E a Leitura, rede de livrarias surgida em Belo Horizonte, se consolida como a maior do setor no país em número de lojas. Em meio a uma crise no mercado editorial que se agravou com o fechamento das unidades físicas e que levou à UTI operações tradicionais no setor como as das redes Saraiva e Cultura, a Leitura inaugurou recentemente sua segunda loja no Espirito Santo. A loja 73 foi aberta na cidade de Serra e, segundo o site Publishnews, o plano de expansão do grupo planeja mais cinco inaugurações ainda neste ano. As novas lojas estão previstas para Juiz de Fora (MG), Brasília (DF), São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Recife (PE).