Ícaro se afogando

Bruegel the Elder, Fall of Icarus | Pieter bruegel the elder, Pieter bruegel,  Baroque painting

PAISAGEM COM QUEDA DE ÍCARO

De acordo com Brueghel

quando Ícaro caiu

era primavera

um lavrador arava

os seus campos

todo o esplendor

do ano

formigava ali

à

beira do mar

consigo mesmo

preocupado

suando ao sol

que derretia

a cera das asas

perto

da costa

houve

uma pancada quase imperceptível

era Ícaro

que se afogava

II LANDSCAPE WITH THE FALL OF ICARUS

According to Brueghel

when Icarus fell

it was spring

a farmer was ploughing

his field

the whole pageantry

of the year was

awake tingling

near

the edge of the sea

concerned

with itself

sweating in the sun

that melted

the wing’s wax

unsignificantly

off the coast

there was

a splash quite unnoticed

this was

Icarus drowning

Poema de William Carlos Williams (1883-1963)

Concisão e rigor

A Carlos Drummond de Andrade


Não há guarda-chuva
contra o poema
subindo de regiões onde tudo é surpresa
como uma flor mesmo num canteiro.

Não há guarda-chuva
contra o amor
que mastiga e cospe como qualquer boca,
que tritura como um desastre.

Não há guarda-chuva
contra o tédio:
o tédio das quatro paredes, das quatro
estações, dos quatro pontos cardeais.

Não há guarda-chuva
contra o mundo
cada dia devorado nos jornais
sob as espécies de papel e tinta.

Não há guarda-chuva
contra o tempo,
rio fluindo sob a casa, correnteza
carregando os dias, os cabelos.


Poema do livro “João Cabral de Melo Neto – Obra completa”, Nova Aguilar – 1994. Para celebrar os 100 anos do nascimento do escritor, poeta e diplomata, acaba de sair, pelo selo Alfaguara, uma nova edição das obras do autor, desta vez das poesias completas.

Poemas de Lousie Glück ganham edições no Brasil

Louise Glück's Poetry of a Million Beginnings - The Atlantic
Foto: theatlantic.com

Até então praticamente inédita no Brasil, a Nobel 2020 Louise Glück vai ganhar uma sequência de edições no país a partir do ano que vem. Segundo a Folha de SP, a Companhia das Letras tem planos de lançar quatro volumes, compilando um total de nove livros da poeta americana. Ainda no primeiro semestre deve sair uma coletânea que reúne “Faithful and Virtuous Night”, lançado há cinco anos e vencedor do National Book Award, e os suas duas obras anteriores, “A Village Life” e “Averno”. “Winter Recipes from the Collective”, ainda não publicado nos Estados Unidos, já tem tradução confirmada no Brasil para o segundo semestre do ano que vem. Nos anos seguintes, também de acordo com a Folha, a editora planeja publicar mais duas edições reunindo cinco livros mais antigos da autora, como “The Wild Iris”, “Ararat” e “The Triumph of Achilles”.

Domingo com Emily

Farmhouse on the Prairie Painting by Sharon France | Saatchi Art
Farmhouse on the Prairie, Sharon France/EUA – Saatchi Art

Para fazer uma campina

Basta um só trevo e uma abelha.

Trevo, abelha e fantasia.

Ou apenas fantasia

Faltando a abelha.

To make a prairie it takes a clover and a bee.

One clover, and a bee,

And revery.

The revery alone will do,

If bees are few.

Emily Dickinson

Seleção – Edição 1992 – Editora Hucitec – Tradução de Idelma Ribeiro de Faria.

Os cantos de Ezra

Henri Cartier-Bresson. Ezra Pound, Venice. 1971 | MoMA
Foto de Henri Cartier-Bresson – Vemeza 1971/MoMa

Cantares 81
(fragmento)

O que amas de verdade permanece,
o resto é escória
O que amas de verdade não te será arrancado
O que amas de verdade é tua herança verdadeira
Mundo de quem, meu ou deles
ou não é de ninguém?
Veio o visível primeiro, depois o palpável
Elísio, ainda que fosse nas câmaras do inferno,
O que amas de verdade é tua herança verdadeira
O que amas de verdade não te será arrancado

A formiga é um centauro em seu mundo de dragões.
Abaixo tua vaidade, nem coragem
Nem ordem, nem graça são obras do homem,
Abaixo tua vaidade, eu digo abaixo.
Aprende com o mundo verde o teu lugar
Na escala da invenção ou arte verdadeira,
Abaixo tua vaidade,
Paquin, abaixo!
O elmo verde superou tua elegância.
“Domina-te e outros te suportarão”
Abaixo tua vaidade
Tu és um cão surrado e largado ao granizo,
Uma pega inchada sob o sol instável,
Metade branca, metade negra
E confundes a asa com a cauda
Abaixo tua vaidade
Que mesquinhos teus ódios
Nutridos na mentira,
Abaixo tua vaidade,
Ávido em destruir, avaro em caridade,
Abaixo tua vaidade,
Eu digo abaixo.

Mas ter feito em lugar de fazer
isto não é vaidade
Ter, com decência, batido
Para que um Blunt abrisse
Ter colhido no ar a tradição mais viva
ou num belo olho antigo a flama inconquistada
Isto não é vaidade.
Aqui, o erro todo consiste em não ter feito.
Todo: na timidez que vacilou.
.

Canto 81
(fragment)

What thou lovest well remains,
the rest is dross
What thou lov’st well shall not be reft from thee
What thou lov’st well is thy true heritage
Whose world, or mine or theirs
or is it of none?
First came the seen, then thus the palpable
Elysium, though it were in the halls of hell,
What thou lovest well is thy true heritage
What thou lov’st well shall not be reft from thee

The ant’s a centaur in his dragon world.
Pull down thy vanity, it is not man
Made courage, or made order, or made grace,
Pull down thy vanity, I say pull down.
Learn of the green world what can be thy place
In scaled invention or true artistry,
Pull down thy vanity,
Paquin pull down!
The green casque has outdone your elegance.

“Master thyself, then others shall thee beare”
Pull down thy vanity
Thou art a beaten dog beneath the hail,
A swollen magpie in a fitful sun,
Half black half white
Nor knowst’ou wing from tail
Pull down thy vanity
How mean thy hates
Fostered in falsity,
Pull down thy vanity,
Rathe to destroy, niggard in charity,
Pull down thy vanity,
I say pull down.

But to have done instead of not doing
this is not vanity
To have, with decency, knocked
That a Blunt should open
To have gathered from the air a live tradition
or from a fine old eye the unconquered flame
This is not vanity.
Here error is all in the not done,
all in the diffidence that faltered . . .

Ezra Pound traduzido por Augusto de Campos, Haroldo de Campos, Décio Pignatari.